• Marcelo Gaudio

Lilith Volume 1

A viagem no tempo é um dos elementos narrativos da ficção científica mais intrigantes, a possibilidade de conhecer grandes momentos históricos ou o futuro longínquo. Dada a impossibilidade real, podemos apenas sonhar com seus potenciais, e isso é explorado na maxi-série da Sergio Bonelli Editore, Lilith.


Criado por Luca Enoch, responsável também por Gea e Dragonero, Lilith começou ser publicada em 2008 na Itália e foi finalizada em 2017, com apenas 18 volumes. Sim, isso mesmo, as edições saíam semestralmente, só imagino o sofrimento dos leitores em esperar cada nova edição, felizmente, aqui no Brasil, a Red Dragon está trazendo toda a série em apenas seis volumes com 400 páginas, formato italiano (16x21cm) e compilando 3 edições originais em cada com uma periodicidade mais agradável.





Basicamente Lilith é uma viajante do tempo que navega por diferentes momentos cronológicos com objetivo de destruir um parasita alienígena. No entanto, sua missão não poderia ser mais complexa, pois o tal parasita possui diversas problemáticas para ser morto: primeiro, ele precisa estar infectando uma pessoa, mas a doença não pode ter se manifestado fisicamente; segundo, a infecção só ocorre em personalidades históricas e elas não podem ser curadas, mas mortas; e por último, LIlith precisa tomar cuidado ao resolver o problema do esporo para não causar um colapso temporal.


Assim, nesse primeiro volume acompanhamos o início da jornada de Lilith no qual a primeira história nos apresenta os principais elementos e regras desse universo, inclusive nos contando a origem do nome da personagem que, na realidade, se chama Lyca. Temos também suas habilidades especiais como a força sobre-humana, capacidades de luta e um parceiro que parece uma pantera mágica falante.





Narrativa o primeiro capítulo da saga se divide em dois momentos: o presente que nos mostra a Guerra de Tróia com a viajante precisando descobrir quem era o infectado antes que o vírus fosse propagado; pontualmente o autor nos apresenta o passado da personagem por meio da incomoda narcolepsia que lhe acomete de vez em quando e transporta o leitor para o treinamento e a situação do futuro e os pormenores de sua missão.


No segundo capítulo a personagem viaja para o Caribe e conhece a pirataria em dois momentos cronológicos: na primeira metade do século XVII, e em seguida salta para o início do XVIII. Luca Enoch se mostra ainda mais confortável com a história e sentimos um roteiro mais orgânico por se livrar das amarras da obrigatória apresentação da personagem, Lilith não cai mais no sono com tanta frequência e embora vejamos uma tentativa de minimização de impacto, assume-se que suas viagens podem causar alterações cronológicas, mas elas são consideráveis praticamente irrelevantes perante o perigo maior que é a destruição de todo o tempo pelo parasita alienígena.





E fechando o encadernado, a terceira aventura de Lilith a leva para as trincheiras da Primeira Guerra Mundial e como se não bastasse a violência dos fronts italiano e austríaco, a viajante precisa enfrentar os supostos aliados para salvar um homem num campo de fuzilamento antes de matá-lo com as próprias mãos. Dentre as missões de Lilith, esta parece ter sido a mais sangrenta até o momento, no entanto, temos a revelação de que a morte já a acompanhava mesmo durante o treinamento.

84 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo